Oração do Perdão

 

“Eu me liberto do ódio por meio do perdão e do amor.

Entendo que o sofrimento, quando não pode ser evitado, está aqui para me fazer avançar em direção à glória.

As lágrimas que me fizeram verter, eu perdoo.

As dores e as decepções, eu perdoo.

As traições e mentiras, eu perdoo.

As calúnias e as intrigas, eu perdoo.

O ódio e a perseguição, eu perdoo.

Os golpes que me feriram, eu perdoo.

Os sonhos destruídos, eu perdoo.

As esperanças mortas, eu perdoo.

O desamor e o ciúme, eu perdoo.

A indiferença e a má vontade, eu perdoo.

A injustiça em nome da justiça, eu perdoo.

A cólera e os maus-tratos, eu perdoo.

A negligência e o esquecimento, eu perdoo.

O mundo, com todo o seu mal, eu perdoo.

Eu perdoo também a mim mesma (o).

Que os infortúnios do passado não sejam mais um peso em meu coração.

No lugar da mágoa e do ressentimento, coloco a compreensão e o entendimento.

No lugar da revolta, coloco a música que sai do meu violino.

No lugar da dor, coloco o esquecimento.

No lugar da vingança, coloco a vitória.

Serei, naturalmente, capaz de amar acima de todo desamor,

De doar mesmo que despossuída de tudo,

De trabalhar alegremente mesmo que em meio a todos os impedimentos,

De estender a mão ainda que em mais completa solidão e abandono,

De secar lágrimas ainda que aos prantos,

De acreditar mesmo que desacreditada.

Assim seja. Assim será.”

 

O Aleph

Paulo Coelho